+ Mais notícias

Escutar para governar 

Hoje, terminei o dia na Subprefeitura da Ilha do Governador, coordenando a primeira reunião do Escutar para Governar, que integra a programação do Visão Rio 500, dando continuidade à construção do Plano Estratégico 2017-2020. O encontro, que foi para lá de produtivo, reuniu 130 pessoas entre líderes comunitários da região, comerciantes e empresários, que deram sugestões para quatro temas específicos: Rio de Janeiro: fonte de bem-estar, qualidade de vida e dignidade; Território conectado, integrado e democrático; Alto valor humano, equidade de oportunidades e cidadania; e Referência global em sustentabilidade e resiliência.

Esse encontro marcou uma nova fase do Visão Rio 500, que é a de levar projetos e metas para serem discutidos com representantes de cada região da cidade. Começamos pela Ilha do Governador, mas vamos dar continuidade pelas demais áreas.

Essa aproximação do Plano Estratégico com a realidade local, com o dia a dia da cidade, para sentir o calor, as reclamações, as críticas e as demandas, é uma parte importantíssima nesse processo de construção. É fundamental que todo planejamento seja amplamente participativo, e que os moradores de todas as regiões possam contribuir efetivamente nesse processo.

E além da participação popular, é importante pensarmos sobre temas que precisam ser discutidos como o envelhecimento da população. Segundo um estudo realizado por um demógrafo que contratamos, a população está envelhecendo. Atualmente, 15% dos moradores da Ilha, por exemplo, têm mais de 60 anos. Isso nos coloca num dilema: nos últimos anos, temos investido fortemente na qualidade da educação infantil de 0 a 5 anos, a principal fase do ciclo educacional. Será que não devemos pensar, também, em espaços para pessoas que estão ficando mais idosas?.

Diante desses dados, será que não precisamos começar a pensar logo no que faremos com uma população com mais de 60 anos que vai quadruplicar daqui a 50 anos? Será que não devemos pensar em espaços para pessoas que estão ficando mais idosas?