+ Mais notícias

Força-tarefa para monitoramento e limpeza da cidade 

Após as fortes chuvas que geraram transtornos na cidade, neste sábado (12/03), o domingo foi de trabalho intenso, com visita às comunidades afetadas e reuniões no Centro de Operações Rio (COR), para tratar do posicionamento e reforço no contingente das equipes municipais que trabalhavam em alerta, no monitoramento da cidade.
No COR, temos aproximadamente de mil câmeras e mais de 400 agentes de olho na cidade 24h por dia. Meteorologistas, engenheiros de tráfego, guardas municipais e de trânsito entraram a madrugada de segunda-feira em alerta, pois o Rio ainda seguia em estágio de atenção e a previsão era de chuva moderada.

No total, cerca de 800 servidores foram mobilizados para limpeza e vistoria das áreas mais atingidas. Uma força-tarefa foi montada com os recursos e equipamentos da Secretaria de Conservação, Defesa Civil, Guarda Municipal, Comlurb e da CET Rio. Em Manguinhos, um dos locais que visitei, reforçamos as equipes que estavam ajudando os moradores a voltarem para suas casas. Por toda a cidade, dobramos o efetivo de servidores e intensificamos os alertas, para que todos ficassem atentos às sirenes e aos avisos de chuvas acumuladas.
A Prefeitura do Rio seguiu trabalhando intensamente nos locais atingidos pelas chuvas.  No sábado, em apenas duas horas, choveu metade do esperado para todo o mês de março. De acordo com os dados do Sistema Alerta Rio, foi 45% do que era esperado para todo o mês de março. As Zonas Norte, Sul e Centro foram as áreas mais afetadas. A tempestade foi concentrada entre 19h e 21h.

Nesse intervalo de duas horas, os índices pluviométricos registrados nas estações Alto da Boa Vista (165,8mm) e Tijuca/Muda (123,2mm) foram considerados históricos para a região. Em apenas 60 minutos, choveu na cidade do Rio de Janeiro o equivalente a seis horas do último temporal registrado em algumas cidades da região metropolitana de São Paulo, na última quinta-feira.