+ Mais notícias

Primeiro equipamento olímpico entregue

Fui hoje ao Parque Olímpico, na Barra, para entregar, junto com o prefeito Eduardo Paes, os prédios do Centro Internacional de Transmissão (IBC), estrutura que será usada por mais de dez mil jornalistas durante os jogos e onde serão geradas e transmitidas as imagens das competições dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016.

É uma construção oito vezes maior do que o maior estúdio de televisão que temos. Cerca de 70 emissoras de televisão e rádio detentoras dos direitos de transmissão do evento devem ocupar o espaço, de 68 mil metros quadrados, com 12 estúdios de 5 mil metros quadrados.

E o que é melhor: entregamos no prazo, no custo e com economia de recursos públicos, já que pela primeira vez na história dos Jogos, esse equipamento foi construído com recursos privados. A obra foi feita toda com dinheiro da iniciativa privada, através de uma Parceria Público Privada (PPP), que em troca, vai poder explorar comercialmente o local quando os Jogos terminarem, trazendo serviços e pagando impostos, gerando riqueza para a cidade e empregos para a população.

Para se ter uma ideia da economia que tivemos, em Londres, o IBC custou 400 milhões de libras, o que significaria hoje algo em torno de R$ 3 bilhões, valor muito acima do custo de todo o Parque Olímpico. O nosso IBC custou cerca de R$ 400 milhões provenientes do dinheiro privado, sem tirarmos um tostão dos cofres públicos.

O IBC foi entregue pela Prefeitura ao Comitê Rio 2016, que agora tem a tarefa de equipar o local, que passará ainda por obras na área interna, como forração de paredes e teto e instalação de divisórias. As alterações são necessárias para que o espaço se adapte às exigências da empresa Olympic Broadcasting Services (OBS), produtora oficial da competição esportiva.

E esse é só o primeiro. Mais de 90% das obras do Parque Olímpico já estão concluídas. Na semana que vem, vamos entregar o campo de golfe, que também foi construído através de uma parceria público-privada.

E assim continuamos seguindo os nossos mandamentos: obras que ficarão de legado, com economia de recursos públicos e no prazo.