+ Mais postagens
Agenda econômica

Vamos ganhar esse jogo

O Brasil entrou em campo para resolver sua questão fiscal, já marcou o primeiro gol com a Reforma da Previdência. E ontem marcamos mais um com as propostas que foram enviadas pela equipe econômica.
Há três anos venho estudando medidas para o ajuste fiscal. Ano passado, apresentei a PEC 438, estou desde abril aprimorando a minha proposta junto com técnicos do Ministério da Economia e da Consultoria da Câmara dos Deputados.

Lutei muito para que as propostas ficassem na Câmara. Mas decidiram enviar para o Senado. Agora, vão ter que passar por uma longa discussão no Congresso, votações nas duas casas.
Sem dúvida, vão provocar um bom debate político, e tudo de forma bem transparente. O problema é que o país tem pressa. E estava perdendo feio, com um déficit fiscal enorme.
Para sair da zona de rebaixamento, nosso time precisa se movimentar mais, reduzir as despesas obrigatórias, cortar gastos em situações de emergência fiscal, equilibrar as contas e descentralizar e injetar recursos em áreas fundamentais.
A estratégia inclui ainda usar o dinheiro travado dos fundos públicos, reduzir as isenções fiscais e os subsídios, para o Estado recuperar a capacidade de aumentar os investimentos.

As propostas são urgentes e necessárias para tornar as contas fiscais mais sustentáveis para alocar melhor o orçamento, atender as demandas e melhorar a vida da população.
A bola está em campo. E ainda tem muito jogo pela frente. Mas entrei com muita garra e vou continuar correndo atrás para que o nosso time ganhe esse jogo